Colo é manha ou uma necessidade básica?

Colo é manha

 

Por altura da II Guerra Mundial muitos bebés foram entregues aos cuidados de orfanatos. Sem mãos a medir para cuidar de tantas crianças eram-lhes prestados os cuidados mais elementares – higiene, saúde e alimentação – descurando-se o colo e os mimos. Com o passar do tempo as enfermeiras e auxiliares que cuidavam dos bebés começaram a perceber que apesar de alimentadas e cuidadas as crianças pareciam estar a definhar. Procurou-se encontrar quem se dispusesse a ir às instituições unicamente para dar colo aos bebés ou então arranjar amas a quem encaminhar as crianças mais vulneráveis. Nesses casos, em que o toque e o envolvimento emocional eram frequentes, constatou-se que os bebés se começaram a desenvolver, mostrando que o contacto físico, o colo, os mimos e todos os cuidados de afeto são tão essenciais como a alimentação ou cuidados de higiene e saúde.

Quando a B nasceu muitas vezes ouvi:
Não lhe dês muito colo que depois não quer outra coisa e não te deixa fazer nada.
– Olha que muito colo estraga-os.
– Deixa-a chorar um pouco. Não lhe faz mal e até areja os pulmões.

De tanto ouvir estas instruções, sem sequer questionar de onde vinham tais crenças (por melhores intenções que tivessem), acreditava que de facto era assim e muitas vezes dei comigo a desesperar com o choro ao qual queria atender de coração, mas na minha cabeça lá vinham as vozes (a minha inclusive) a dizer que era errado, que não o devia fazer, que não estava a ser uma boa mãe porque estava a ceder aos mandos e desmandos de meio palmo de gente que queria colo a toda a hora.
Decerto que numa ou noutra altura terei eu própria dado a mesma orientação a outras mães, afinal “eles são pequenos mas já têm a manha toda”.

Quão errada eu estava! Afinal, mais tarde aprendi, que não é manha querer colo mas uma necessidade básica do bebé que, especialmente nos primeiros meses, só se sente inteiro quando está com a mãe. Porque afinal, foi dentro da mãe que ele esteve durante 9 meses. É com a mãe (ou cuidador mais próximo), junto ao seu corpo, que ele compreende quais são os seus limites físicos e emocionais e se sente seguro e protegido.

Assim, naquela altura e apesar de sentir que algo não estava certo, contrariava o que instinto me pedia para fazer. Suportava o choro dela e a minha angústia de não a consolar tanto quanto eu queria e também eu precisava.
Felizmente que tenho o hábito de procurar respostas fundamentadas às inquietações que me atormentam. Então, pesquisando e lendo, aprendi que os bebés são autênticas esponjas. Se a mãe está tensa, desesperada, ansiosa, alarmada,… eles próprios refletem esse estado. É certo que o seu desenvolvimento emocional é muito imaturo mas ao mesmo tempo é altamente perspicaz nestes primeiros meses e anos de vida.

Ao privarmos o bebé do colo, do nosso toque, das palavras afáveis, dos olhares próximos, será bom também pensarmos na mensagem que lhe estamos a passar. O que será que este bebé decidirá quando, com frequência, não recebe dos pais o que mais necessita? Como é que esse bebé se percepciona, percepciona os que o rodeiam e o mundo à sua volta?

É com base na observação do que se passa em seu redor, das emoções que os principais cuidadores transmitem (mãe e pai em particular) e da experimentação, que o bebé forma a sua percepção do mundo: se é seguro, confiável, amável, ou pelo contrário, se é perigoso e hostil. Esta percepção é a base das sinapses neuronais que o bebé forma, e olhem que só por segundo um bebé estabelece em média um milhão de sinapses. É muito!

Também não é por acaso que o final do dia é a altura em que os bebés costumam ser assolados pelas famosas “cólicas”. Muitos pais queixam-se destas “cólicas” de final de tarde/início de noite, que se prolongam às vezes durante horas.

Imagine-se então que o nosso bebé é uma panela de pressão (sim, leram bem). Ao longo do dia o bebé vai recebendo informações e interagindo com o que o rodeia. Vê, toca, saboreia, ouve, sente o frio, o calor, texturas… Vai assimilando tudo o que pode. No fim do dia todos estes estímulos deixam o bebé complemente assoberbado. Como uma panela de pressão ele precisa de libertar a tensão que tem em si. Precisa de descomprimir. Este choro zangado e intenso do fim do dia é exatamente o que ele precisa para descompensar. E não tem mal algum, porque o bebé precisa deste choro e desta zanga como escape emocional. Ao mesmo tempo precisa que a mãe ou o pai atuem como um regulador externo que equilibra este estado de descompensação e lhe diz “Está tudo bem. Estou aqui para ti”.

Que não é fácil, não é. Nós também temos neurónios espelho, e no desespero do nosso bebé começamos a desenvolver o nosso desespero. Eles berram e agitam-se e nós parecemos baratas tontas que só queremos, de forma igualmente agitada, acalmar a situação. Procuramos então técnicas de relaxamento, mesinhas e medicamentos. Tudo o que for possível para que o bebé fique calmo. Não é à toa que o pediatra Mário Cordeiro diz que apenas uma pequena percentagem das chamadas cólicas são de facto cólicas, eventualmente com necessidade de serem medicadas. Todas as restantes são imaturidade emocional do bebé para lidar com os estímulos a que se alia uma impreparação emocional dos pais.

Ainda me dei ao trabalho, só por via das dúvidas, de pesquisar estudos de fontes credíveis que atestassem que o colo, a mais ou não, faz mal aos bebés. A pergunta até se coloca mas a grande maioria das fontes e investigações dizem-nos que o colo é bom, nunca é demais e recomenda-se, para bem do vínculo e da saúde emocional de pais e filhos.

Por estas e outras razões, hoje – mais tarde do que gostaria, ainda assim sempre a tempo – entendo que não é bom deixar o bebé chorar sem lhe prestar consolo, sem lhe falar de uma forma calma e amável, sem lhe pegar ao colo para lhe dar o conforto de que necessita para se acalmar e aprender a autorregular-se. Sei que é o amor e o afeto, e não a privação destes, que são determinantes para os ajudar a crescerem saudáveis e capazes de desenvolver competências emocionais que levam para o resto da vida e que, afinal, absorvem também de nós desde da mais tenra idade.

O Grande Livro do Medo e das Birras

Para sermos os melhores pais e educadores que podemos ser, temos de nos fazer pequenos, olhar e sentir o mundo pelos olhos das nossas crianças e entender que mecanismos físicos e psicológicos, alguns mesmo ancestrais, os fazem responder como respondem em determinadas momentos e circunstâncias.

Se não formos capazes de nos darmos e lhes darmos esse tempo para compreender de onde vêm as birras e os medos, como podemos preveni-los, e quando não possível, ajudá-los a ultrapassá-los? Como vamos ser capazes de perceber as suas raízes e extensão? Como saberemos como reagir de uma forma que a tensão não escale? Como ajudaremos as nossas crianças a lidarem de uma forma saudável com as emoções que não conseguem gerir? Como educaremos uma geração para uma vida mais realizada e feliz?

Não fazermos este esforço tem impacto no desenvolvimento das nossas crianças, no nosso relacionamento com elas e na forma como lidarão no futuro com as contrariedades da vida mas também como valorizarão a beleza que ela tem.

É importante desmistificar as birras e os medos e assumi-los tal qual eles surgem, agindo de forma adequada, sempre com o máximo respeito pela criança, pelas suas necessidades e pelo seu valor inabalável.

Mário Cordeiro é um pediatra reconhecido pela sua sensibilidade para com o saudável desenvolvimento das crianças, a todos os níveis, e por isso gosto de ler o que escreve.

Este livro foi-me dado no Natal pelo meu marido e recomendo a todos os pais e educadores.

Grande Livro dos Medos e das BirrasSINOPSE

Todos os dias é a mesma coisa, não quer tomar banho e foge aos berros da casa de banho. Hoje estávamos no supermercado e como não lhe comprei o que queria começou a espernear, aos gritos, a deitar-se no chão… Uma vergonha! De cada vez que lhe digo que não pode ver televisão, começa aos berros e quer morder-me. A hora da refeição cá em casa é crítica, agora não gosta de nada e chora convulsivamente em frente ao prato. Num momento está muito bem, no outro não sei bem porquê desata aos gritos e a chorar… será preciso descrever mais cenários, ou o panorama, além de assustador, é bem conhecido dos leitores que todos os dias têm de lidar com as birras dos seus filhos? O pediatra best-seller em Portugal Mário Cordeiro garante: não é anormal fazer birras, nem indica qualquer desvio comportamental. Os pais não precisam de se sentir envergonhados e é normal os pais sentirem-se cansados e esgotados perante as birras. Impotentes sem saberem como actuar. A birra é apenas uma expressão de uma multiplicidade de sentimentos, logo, para a compreender há que perceber a sua relação com esses mesmos sentimentos, designadamente o medo e a frustração, o temperamento individual e as etapas do desenvolvimento da criança.

Neste livro prático, Mário Cordeiro aborda o tema dos medos e das birras, nas suas mais diferentes situações: à mesa, no banho, no carro, na escola, nas férias, nas compras… Cenários onde a criança tem sono, fome, está cansada, se vê num ambiente estranho, frustrada ou perante estranhos, e explica-lhe como deve actuar em cada uma delas: – Mantenha-se calmo perante uma birra…

Boas leituras!