EPÁ!!! ESPERAS SFF?!!!

Esperas

Ser visto, reconhecido, é uma das grandes necessidades de qualquer pessoa. O ser tido em conta, ter alguém (idealmente de referência) que nos dê atenção é algo que todos precisamos. Ora, com as crianças – desde das mais pequenas, que muito do que percecionam sobre si mesmas depende da resposta dos outros, às maiores, que estão em plena fase de construção da sua personalidade – a necessidade de terem a nossa atenção ainda é mais premente.
Cá por casa, a B (6 anos) é pródiga em pedir a nossa atenção, sendo que por norma o fazia de forma inadequada. O primeiro ‘Mãe!…’ ainda correspondia a graus aceitáveis de demanda, mas no segundo ‘MÃE!!’ a impaciência começava a apoderar-se dela e daí a estar a berrar-me aos ouvidos era um ápice.
Todos nós sabemos o quanto isso é irritante, especialmente quando estamos a meio de uma conversa, seja com alguém que está à nossa frente ou ao telefone.
Face à insistência e volume, não era raro, já em fim de paciência, sair-me um ‘EPÁ!!! ESPERAS SFF?!!!’.
A questão é que nem sempre a linguagem verbal pode ser o melhor método para comunicarmos nas relações. Às vezes a linguagem não verbal, como sinais combinados com as crianças, é mais eficaz.
E então que solução é que encontrei para esta forma inapropriada da minha filha pedir a minha atenção?
Combinei com ela um sinal. Sempre que ela precisa da minha atenção e eu estou ocupada, em vez de berrar, ela aperta a minha mão. Por norma, se não poder logo atendê-la, olho para ela e digo-lhe:
– Dá-me 5 minutos e já te dou toda a minha atenção.
Sabendo que vou respeitar o tempo que lhe indiquei para aguardar, ela espera porque se sente reconhecida e respeitada, e ainda que não tenha de imediato correspondido ao que queria, sente-se valorizada com o meu comprometimento em dar-lhe a atenção que ela necessita num curto espaço de tempo.
Na maior parte das vezes esta estratégia tem resultado. Porém, acontece uma ou outra vez em que, ansiosa, se esquece do combinado, e então aí, ao primeiro ‘MÃE!!’ acima dos decibéis relembro-a:
– O que é que nós combinámos?…
– Ahh, pois foi. Desculpa…
E já ninguém se irrita.

Jardineiros de almas façam florescer as nossas crianças

professores

 

Muitas vezes, quando passam para o lado de lá (ensino obrigatório), parece que lhes roubam a alma’.

Foram estas as palavras que me ficaram na cabeça e me pesaram no coração na última reunião que tive com a educadora de pré-escolar da B.

Daqui a poucos dias ela ingressa na escola primária. Desde que entrou com os 3 anos para o Pré-Escolar temos tido a sorte de encontrar educadoras sensíveis à área socio-emocional e ao desenvolvimento das soft skills, que hoje sabemos, são tão determinantes para a capacidade de gerirmos a vida e os inúmeros desafios com que nos brinda, de uma forma saudável e equilibrada.

A estas educadoras devo três anos de estímulo, de descoberta dos outros, do mundo e da tão importante autodescoberta, de empatia, de sabedoria na resolução de conflitos, de abordagens sensíveis e criativas aos valores humanos que norteiam o ser e estar destas crianças de tão tenra idade, de graça e encanto na partilha de conhecimentos e emoções.

Com as educadoras e auxiliares com que se cruzou a alma da minha filha cresceu e fortificou-se, por isso muito lhes agradeço pelo inestimável acompanhamento de dias e dias em que não estando eu, estiveram elas… tão sabiamente elas.

Mas a alma da minha filha está ainda a florescer, a ser moldada. É ainda muito influenciável ao ambiente que a rodeia e às pessoas que com ela interagem, especialmente se forem pessoas que considere uma referência. Naturalmente que procuramos sempre acompanhá-la e orientá-la e estamos muito convictos do poder que, enquanto pais, temos em inspirá-la e influenciá-la para que cresça feliz e se mantenha espontânea, alegre e genuína como é. Mas não escondo o receio de que nesta nova fase, na passagem para o ensino obrigatório – na pressão para que escolas, professores e alunos correspondam a métricas e avaliações ao mesmo ritmo e nível – a singularidade da minha menina se perca, formatando-a às exigências das provas, dos objetivos académicos e dos rankings em detrimento do tanto mais que ela traz guardado em si e tão genuinamente gosta de explorar e partilhar.

Temo que ela, ainda tão permeável e tão sensível, se intimide, se enfade, se diminua e definhe. Receio que perca o brilho do olhar de quem aprende com curiosidade e entusiasmo, o ímpeto de fazer acontecer de quem acredita que pode ser o que quiser, a motivação de quem é encorajada porque a fazem acreditar que é capaz e pode fazer sempre melhor, a garra de quem sabe que os erros são ótimas oportunidades para aprender, e não antecâmaras da culpa, do medo e da vergonha.

Temo que nesta nova fase em cada cadeira, de carteiras em filas perfeitas, não se veja um rosto, uma personalidade, talentos diferentes e aptidões tão próprias a serem explorados pelo que de melhor têm a dar, ao invés de se perceber a melhor forma de os ensinar, os cativar e os interessar, mantendo acesa a chama que os alimenta.

José Pacheco diz que ‘as provas, não provam nada’. Na verdade elas provam, por vezes tarde e mal, que os 5, 20, bons ou muito bons não garantem futuros risonhos e sonhos concretizados. Não garantem carreiras de sucesso e relações apaixonadas. Não garantem a competência para lidar com as vulnerabilidades e as incertezas quando as expectativas se desmoronam e os planos dão para o torto.

E então o que peço é tão simples: não roubem a alma à minha menina nem a nenhuma outra!

Educadores e professores, estimulem as crianças, os seus sonhos e talentos. Sejam qual jardineiros que cultivam almas com afetos, encorajamento, respeito e integridade, e regalem-se então a ver o fruto desta educação florescer aos vossos olhos e embelezar este imenso jardim que é a nossa vida.

Pote da Felicidade: um aliado para guardarmos o lado bom da vida

pote da felicidade

 

A neurociência explica que desde tempos ancestrais estamos “programados” a levarmos a vida com uma predisposição mais negativa que positiva. Esta forma de estar permite-nos estar alerta para as situações de perigo e sobreviver. Era assim há milhares de anos e ainda hoje mantemos nos nossos genes essa “programação”.

As emoções negativas tendem por instinto básico a prevalecer sobre as positivas. Estas para singrarem na nossa existência requerem um esforço adicional da nossa parte, uma espécie de treino mental para perspetivarmos a vida de um modo mais positivo. É por isso que tudo o que nos acontece de mau registamos com mais facilidade do que registamos o bom. Os momentos piores porque passamos têm tendência a manterem-se no nosso estado de espírito por mais tempo, assim como costumamos ruminar insistentemente pensamentos negativos. É uma questão de hábito para o qual nem sempre estamos conscientes mas que nos condiciona a forma de estar e molda a nossa forma de ser.

Focarmo-nos intencionalmente no bom que temos e nos acontece e sermos gratos por isso faz parte do treino mental que contraria a tendência ao negativismo em que instintivamente (sobre)vivemos. Porque nem sempre é fácil manter essa consciência há algumas estratégias que podemos adoptar para nos ajudar a criar o hábito pro-ativo de manter um foco positivo no dia-a-dia.

O pote da felicidade, criado por Elsa Punset (autora de O Livro das Pequenas Revoluções) como instrumento de educação emocional, é um aliado nesta frente que já usamos cá em casa.

Para criar este pote não tem nada que saber. Basta arranjar um pote em vidro (ou outro material transparente, não quebrável – mais prático para quem tem crianças pequenas), com uma tampa e arranjar folhas de várias cores. Nós temos uma cor para cada membro da família e outra cor extra para convidados que recebemos. Assim também eles podem deixar o registo do momento que passaram connosco.

O objetivo é enchermos o pode da felicidade com um evento em que tenhamos estado, um amigo que se encontrou, algo novo que experimentámos, uma conquista ou objectivo alcançado, algo inesperado mas feliz que aconteceu, uma partilha importante, boas ações que praticámos… Enfim, o que se quiser, desde que nos tenha acalentado o coração e inspirado um sorriso no rosto.

A ideia seria escolher todos os dias algo de positivo que nos tenha acontecido para registar. Contudo, no nosso caso adaptámos a ideia e, em vez de fazermos todos os dias, optámos por escolher um momento a registar a cada semana. Pode ser um momento único de algo de bom que aconteceu em família ou cada membro pode registar individualmente nas folhas algo de positivo que lhe tenha acontecido, seja por escrito ou através de um desenho – é o que fazem as pequenas da casa que ainda não sabem escrever. Nesse caso, fica a nosso cargo fazer as legendas e colocar a data.

Ultimamente, para além das folhas às cores, temos também colocado no pote fotos que tiramos de momentos especiais. Mais uma forma de ficarmos com memórias felizes para a posteridade.

Lá para o final do ano arranjaremos um momento para nos sentarmos e esvaziarmos o pote, ao mesmo tempo que enchemos o coração a rever tudo de bom que nos aconteceu ao longo dos últimos meses. Essas recordações serão depois guardadas e o pote fica disponível para receber mais registos felizes das nossas vidas.

Fazer este exercício numa base regular ajuda a reprogramar o cérebro a estar atento aos bons momentos tantas vezes menosprezados face ao que de mau existe. Ajuda-nos também a sermos gratos pelas coisas mais simples das nossas vidas. Por outro lado, ao fazermos esta atividade em família estamos também a reforçar a conexão entre nós ao mesmo tempo que educamos as nossas filhas para se fortalecerem emocionalmente com doses regulares de positividade intencional.