Só quem se cuida é capaz de cuidar

Cuidar de nós

“Caramba! É que nem tenho tempo nem para me coçar!”

“Gostava de ter tempo para cuidar de mim mas com a casa, a família e o trabalho… não há como.”

“No próximo mês vou começar a ir ao ginásio. É que preciso mesmo!” (e passa um mês, dois, três… um ano!…

“Amiga, tomamos um café para a semana para pôr a conversa em dia?” (e as semanas vão passando, passando…)

“Faço tudo por ti, sacrifico-me tanto, e tu nem me agradeces!”

Creio que estas frases, entre outras que tais, serão familiares à maioria de nós, ou porque já as dissemos ou porque as ouvimos muitas vezes…

A verdade é que ser pai ou mãe nos dias que correm não é pêra doce e requer muito jogo de cintura. Ele é a azáfama da casa a acumular com muitas horas de trabalho, os compromissos sociais e familiares, as responsabilidades e exigências, passando pelas burocracias, as contas, as tarefas e obrigações do dia-a-dia, aos imprevistos que sempre aparecem (imagine-se) nas alturas menos oportunas, e o tanto mais que aqui se pode juntar no rol dos itens que não cabem nas 24 horas do dia.

No meio de tudo isto é tão fácil esmifrarmo-nos até à última gota, achando que podemos sempre um pouco mais, que aguentamos.

Em nossa defesa – de quem, na verdade, muito pouco se defende – vemo-nos como altruístas. Sofremos mas fazêmo-lo pelos nossos! Os nossos filhos, a nossa família. Por todos aqueles que amamos, que contam connosco e/ou precisam de nós.

Mas que consequências nos traz essa entrega sem limites, desregrada, que tantas vezes nos deixa esgotados física e emocionalmente?

Ao entrarmos nesta espiral de sacrifício e doação contínua, esticando ao máximo as nossas capacidades, há sempre uma altura em que acabamos por ceder. Afinal, somos de carne e não de ferro (e atenção que até o ferro enferruja). Há-de haver uma altura em que começamos a dar mostras de desgaste, e não raras vezes acabamos por adoecer ou, então, exteriorizamos o que já não cabe em nós com reações inadequadas. A irritabilidade e os ressentimentos começam a ganhar espaço, moldando a forma como reagimos. Quando a pressão se acentua é exatamente sobre aqueles por quem entendemos que nos sacrificamos que tendemos a descarregar a pressão, como se de alguma forma fosse deles a responsabilidade de zelarem pelo desmazelo de não cuidarmos de nós.

Quem já andou de avião sabe que antes de se iniciar a viagem a hospedeira faz sempre uma introdução às regras de segurança e ao que fazer em caso de emergência. Numa das indicações informa que em caso de despressurização da cabine, as máscaras de oxigénio cairão automaticamente. Nesse caso, se estiver acompanhado por alguém que necessite do seu apoio, como crianças, deverá ser o primeiro a colocar a máscara e só depois deve ajudar quem necessitar do apoio.

Esta regra não é apenas válida para as viagens de avião. Na verdade, (naturalmente, de forma figurativa) garante também a nossa segurança e bem-estar na vida e torna mais saudáveis as relações.

Não será possível cuidarmos eficientemente de ninguém se antes de mais não cuidarmos de nós mesmos. O nosso auto-cuidado deve estar em primeiro lugar e isto não é ser egoísta, nem estarmos a negligenciar ninguém, mas sim ser sensato e responsável. Antes de mais, temos de assumir que a responsabilidade de nos cuidarmos é nossa e de ninguém mais.

Ao reclamarmos da falta deste cuidado pelo quanto nos dedicamos a filhos, família, ou outro alguém de quem cuidamos, estamos a atribuir ao outro a responsabilidade pelo nosso bem-estar, o que é não só demasiado pesado e injusto para o outro, mas também configura uma auto-percepção de incapacidade para mudar o que não nos satisfaz.

Basicamente se atribuímos a responsabilidade a outro pela opção que nós não tomamos, é como se lhe disséssemos: “eu estou assim por tua culpa”. A culpa raramente tem efeitos positivos e é altamente corrosiva para os relacionamentos.

A este nível, a psicologia adleriana fala sobre o conceito de ‘separação de tarefas’. Quando culpamos o outro por uma responsabilidade que é nossa não estamos a fazer a devida distinção entre as tarefas que nos cabem a nós e as que cabem aos outros. Desta não distinção surge a nossa desresponsabilização e culpabilização do outro, e daqui só pode advir sofrimento.

Contudo, se eu assumo a responsabilidade do que não estou a fazer por mim, então também assumo a opção de mudar a realidade em que me encontro e não me agrada. Passo da atitude passiva a uma atitude ativa. Podem acreditar que isto faz toda a diferença na forma como conduzimos as nossas vidas.

Ao promovermos o auto-cuidado não só estamos a garantir o nosso bem-estar e equilíbrio físico e emocional, mas também estamos então mais aptos a cuidar das pessoas que de nós dependem ou com quem nos relacionamos e oferecemos os nossos préstimos. Outra vantagem também muito importante – mais então se falamos de crianças – é o exemplo que passamos, mostrando a importância de não negligenciarmos as nossas próprias necessidades e limites e de nos cuidarmos para melhor cuidarmos dos que precisam de nós.

É no exemplo que a educação se materializa e o amor se fortalece

Exemplo

Tive reunião na escolinha da B esta semana. Entre mil e um temas de agenda e relatos sobre os desenvolvimentos dos meninos em ambiente escolar, a educadora abordou também os momentos em que ficavam mais agitados e, num aparte, deu conta que numa dessas alturas a B (5 anos) lhe terá dito:
– Precisam de meditar para acalmar.
A sugestão terá sido bem acolhida e ao que parece, de quando em vez, agora lá se sentam todos em meditação conforme sugerido pela coleguinha.

Saber desta história alegrou-me e surpreendeu-me. É que em casa, quando medito junto dela, normalmente a B não demonstra grande interesse pela prática. Já lhe expliquei o que faço quando me sento naquela posição e fecho os olhos, e os benefícios e porque também seria bom ela fazer, mas nunca foi o suficiente para verdadeiramente a motivar. Até costumo perguntar-lhe se se quer juntar a mim, mas na generalidade das vezes diz que não, que prefere ficar só a ver.
Face ao que me parecia ser uma atitude de um certo descaso em relação à meditação, não esperava que ela tivesse a reacção que a educadora relatou e que, de certa forma, impulsionasse para que a prática se tornasse frequente na sala de aula.

O mais inspirador para mim deste episódio é aperceber-me de como o exemplo que passamos aos nossos filhos é na prática apreendido e reproduzido por eles, sem que muitas vezes o manifestem ou nos dêem a entender. O facto é que curiosamente ela nunca abordou em casa esta situação da meditação em sala de aula, e no entanto soube autonomamente fazer uso do exemplo que lhe dei.

A parentalidade é um dos temas quentes nos dias de hoje. Há muitas correntes que se defendem ou renegam, das quais nos aproximamos ou afastamos. Há também muitos pais que hoje se sentem ‘sem rei nem roque’ na tarefa de educar as suas crianças. Hoje, muitos de nós, não temos as redes de apoio de antigamente, nomeadamente nas grandes cidades. A família está longe e com os vizinhos quase não se convive, só se trocam breves palavras de circunstância. As pressões sociais e económicas são muitas e o tempo escasso para responder a tantas solicitações. Asfixiamos lentamente em exigências, cobranças, contas, deveres, compromissos inadiáveis…

Passamos horas sem fim fora de casa, longe dos nossos e nem as tecnologias nos valem para realmente nos aproximarmos. Temos sorte quando há a possibilidade de tomar o pequeno-almoço em família e à noite estarmos todos juntos para jantar à mesma mesa. Pais há que durante a semana só veem os filhos de fugida ou de soslaio quando já dormem. É muitas vezes o alto preço a pagar para sustentar a família.

Mas o tempo urge e eles crescem e nesse crescimento desenraizam-se de nós e dos sonhos que tinhamos para eles. E os pais assistem, quando não estão intensamente alienados ou distraídos, impotentes e incrédulos a esta cruel emancipação prematura, que nos rouba a oportunidade de lhes passar o melhor de nós – os pilares para uma vida presente, saudável, plena e feliz.

Se quisesse tapar o sol com a peneira e apenas lamentar a má sorte de sermos pais nestes tempos modernos, diria que a culpa é desta sociedade, dos governos e desgovernos sem políticas pro-natalidade e pró-família, dos empregadores apenas atentos ao lucro das suas empresas e acionistas, da falta de condições, do êxodo, do diabo a quatro… Mas temos de ser claros. A culpa é nossa, pais, que desnorteados, tocados a vara qual gado, não nos damos tempo para concretizar o que fazemos das nossas vidas e, consequentemente, da vida daqueles a quem mais queremos bem. Enfiamos a cabeça na areia e dizemos que amanhã será o dia, o nosso tempo virá e o deles também. Levamos os dias a correr e a correr com eles (literal e figurativamente falando). Eles fazem birras e nós sobrepomos as nossas. Eles gritam e nós gritamos mais altos pelo bem da nossa autoridade. Eles amuam e nós reviramos os olhos, incapazes de penetrar nos seus corações. Eles esperneiam e agarram-nos as pernas e nós maldizemos a vida e amarguramos os seus olhares pesarosos, angustiados por um abraço demorado para o qual nunca parecemos ter disponibilidade.

As responsabilidades não se varrem para debaixo do tapete e a educação dos nossos filhos e o amor que lhes devemos – não em palavras mas em actos – não pode ser empurrada para as calendas de um tempo indefinido na vã esperança de ainda lá chegarmos a tempo de lhes dar aquilo a que não nos prestámos enquanto era possível. Todos sabemos que o amanhã nunca chega mas é para lá que empurramos os nossos sonhos sem ousarmos começar hoje a construir o futuro que desejamos.

E os nossos filhos, ficam sem raízes, e aí percebemos que na verdade as raízes que lhes demos eram tão frágeis e doentes, porque, a bem dizer, até as nossas deixámos apodrecer num recanto qualquer do tempo do qual já nem sequer nos lembramos, ou procuramos esquecer para que não nos magoe a lembrança.

E no meio desta fragmentação de pais e indivíduos, não conseguimos ser amor por inteiro e dar esse amor incondicionalmente aos nossos espelhado naquilo que somos e fazemos. Somos uma réplica daquilo que desprezamos na sociedade e as nossas crianças são orfãs de pais vivos mas que todas as noites lhes dão um beijinho na ingénua esperança que venham a ser felizes, guiados por aquela mesma felicidade que nos escorre por entre os dedos todos os dias.

E é neste exemplo do que tristemente transmitimos que eles se perdem e procuram por si só as referências que lhes faltam. Quando são pequenos ainda esperneiam, fazem birras e confrontam-nos, procurando despertar-nos para as suas necessidades, para o exemplo que devemos ser.

Mas mais tarde, quando entram na adolescência ficam mudos e perdem qualquer conexão. Procuramo-los mas nos seus olhares encontramos vultos que não conhecemos, pois mal os vimos crescer e na nossa falta assumiram outras referências para a vida. Desesperamos porque se diluem em ações impensadas e incongruentes. Mas onde esteve a nossa consciência, a nossa congruência enquanto cresciam? Acusamo-los de não fazerem uso dos valores que lhes passámos. Mas em que momento lhes exemplificámos os homens e mulheres que vislumbrámos que fossem.

É no exemplo – sempre no exemplo – que a educação se materializa e o amor se fortalece. É no que efectivamente vivemos e somos que as nossas crianças vão beber os valores, comportamentos e orientações.
É nas intenções que definimos para nós enquanto pais e pelas quais solene e genuinamente nos responsabilizamos que se reflectem os filhos que idealizamos ter, não sempre, mas quando menos esperamos.