Assim e Assado, Não Passes ao Lado

A B gosta muito de ler, disse-me uma auxiliar quando num dia destes a fui deixar na escolinha e com ela levava, para ler na sala com os amigos, este ‘Assim e Assado, Não Passes ao Lado’.

Anteriormente uma outra auxiliar já me havia abordado elogiando os livros que a B levava para escola, e nesse momento tivemos uma conversa sobre o porquê de termos lá por casa uma especial atenção aos conteúdos dos livros que lhes compramos.

Na verdade, não compramos um livro ao acaso, só porque tem figuras giras e elas pedem. Os livros não são baratos e não gosto de sentir que estou a desperdiçar tempo e dinheiro com algo que pouco lhes acrescentará. Toda a intenção conta quando o propósito é o de educar os nossos filhos. Sempre que compramos livros, sentimos que é um investimento que fazemos. Procuramos avaliar a mensagem a transmitir. Se é adequada. Se o livro está bem redigido. Se está alicerçado em valores com que nos identificamos e queremos enraizar. Tudo, isto porque entendemos que os livros podem de facto ser preciosos investimentos, ótimos veículos de ensinamentos para a vida e grandes aliados na construção das pessoas que aspiramos que as nossas filhas venham a ser.

Por esta razão, é habitual demorar tempos e tempos nas livrarias para escolher um livro, e sempre que posso faço em conjunto com as minhas filhas, explicando o porquê de se dever optar por um e não por outro. Acredito que tal como tento tomar especial cuidado à comida que ingiro, e no supermercado avalio os ingredientes e composição nutricional dos produtos, considero que os conteúdos funcionam de forma semelhante para a nossa mente. Se não como qualquer porcaria (por norma), nem quero que as minhas filhas se alimentem com algo que sei que não é nutritivo, porque hei-de deixar ao descaso os conteúdos que lhes alimentam a mente. Nesta frente, às vezes já bem basta os desenhos animados que elas veem e aos quais nem sempre conseguimos estar tão atentos quanto gostaríamos.

Por todos estes motivos (e outros mais), no que a livros diz respeito, somos particularmente criteriosos.

Este livro em específico foi levado à anterior escolinha da minha filha numa apresentação da editora Alfarroba.

Das duas histórias escritas em versos que o livro tem, da autoria de Maria Conceição Areias, com ilustrações de Tânia Bailão Lopes, a que a B mais gosta é a do Rodrigo, um menino com perfil de bullie e de como, em contexto escolar, nomeadamente com a ajuda da própria vítima, ele consegue ajuda para canalizar para atividades positivas e saudáveis a sua agressividade.

A outra história, embora um pouco mais ‘abstrata’, é igualmente valiosa no sentido de perspetivar desde o princípio ao fim da vida numa abordagem infantil. Lembro-me de lhe ter lido esta história numa altura em que o avô tinha tido uma situação de saúde um pouco mais grave e esperava para ser operado.

Assim e Assado, Não Passes ao LadoSINOPSE

Livro de rimas composto por dois textos:

«O Rodrigo mata e esfola, é o terror lá da escola»; pretende retratar os agentes de bullying, agressor e vítima, relatando uma história passada na escola.

«Do começo até ao fim e, pelo meio, assim assim»; pretende familiarizar a criança com o nascer, o crescer e o morrer; temas sempre difíceis de explicar, mas que fazem parte da vida.

Liliana Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *