Amuletos de amor para o regresso às aulas… e outros desafios que os pequenos enfrentam

 

Todos nós nos deparamos com dias mais desafiantes de quando a quando. Dias que nos tiram da zona de conforto, que nos exigem mais, que aguçam ou expõem as nossas fragilidades. Dias em que somos confrontados com o que desconhecemos e simplesmente preferíamos manter-nos no nosso casulo. Nessa altura recorremos o melhor que podemos a estratégias mais ou menos elaboradas para aumentar a nossa autoconfiança. Erguemos a cabeça e seguimos em frente, mesmo sentindo o coração tropeçar a cada passo. Isto somos mais ou menos nós, os adultos…

Mas quando a situação se passa com uma criança, como fazemos para aumentar o seu conforto, para a tranquilizar? Como a fazemos crer que aconteça o que acontecer ‘está tudo bem’? Que estratégias temos para a apoiar, especialmente naqueles dias que não vamos poder estar ao seu lado o tempo todo, a segurar-lhe a mão?

Com a B há algum tempo que utilizamos um recurso que a tem ajudado a enfrentar com mais confiança os desafios dos dias mais difíceis.

Há 3 anos, como presente de Dia da Mãe, a B, na altura com 3 anos, ofereceu-me uma pulseira em macramê com uma pedra da cor dos seus olhos. Desde desse dia que é raro tirá-la do pulso. A única exceção acontece apenas nestes dias difíceis que ela enfrenta.

A primeira vez que a senti insegura e temerosa foi no dia em que foi para a nova escola do pré-escolar, deixando os amigos que a acompanhavam há dois anos. Sabia que apesar da espontaneidade dela e da sua capacidade de socialização aquele primeiro dia, num novo espaço, com adultos e crianças estranhas, deixava-a intimidada. Quando a fui deixar de manhã ela abraçou-se a mim e disse que não queria ali ficar. Eu tinha de ir trabalhar e sabia que ela rapidamente se ambientaria, mas precisava de a ajudar a sentir-se confortável e confiante. Recordei-me então de uma história que tinha lido, a de um pequeno guaxinim. Procurando adaptá-la ao contexto, lembrei-me que podia transformar a minha pulseira, que ela sabia ser tão especial, num amuleto de amor que nos unia às duas. Tirei a pulseira do pulso enquanto ela olhava com estranheza para o que estava a fazer e disse-lhe:

– Sabes que a mãe adora esta pulseira porque sempre que olho para ela me lembro de ti e dos teus lindos olhos, e também porque foi um presente que me deste com muito amor. Ter esta pulseira comigo aquece-me o coração porque me faz sentir que estou sempre contigo, esteja onde estiver.

E perguntei-lhe:

– Queres hoje ficar com a minha pulseira? Acho que ela te vai ajudar a lembrar que apesar de ficares nesta escola que não conheces com pessoas que te são estranhas, não ficas só. Assim, há um pouco de mim que fica contigo.

O rosto dela, até então temeroso, iluminou-se num sorriso.

Pedi-lhe para ter o cuidado de não a tirar porque era uma pulseira muito especial, mas sempre que durante o dia se sentisse mais triste ou assustada podia olhar para ela e tocar na pedra. Essa pedra iria lembrar-lhe do grande amor que sinto por ela e dar-lhe força até que nos voltássemos a ver ao fim do dia.

Assim foi nesse dia. E no dia em que participou numa pecinha de teatro apresentada noutra escola… E no dia em que foi de passeio, para fora… E no dia em que a mãe de uma amiguinha da escola a levou para lanchar e passar a tarde com as amigas na casa dela… E no último dia do pré-escolar em que ia falar ao microfone e participar nas marchas com toda a gente a assistir. Foi também assim nesta segunda-feira, em que passados quinze dias em que esteve permanentemente connosco durante as férias, voltou à escola, mas não à que conhecia. Foi para a escola dos ‘crescidos’, ao lado da Pré, onde vai frequentar o 1º Ciclo.

Enquanto me afastava pude ouvi-la entusiasmada a explicar porque é que a mãe lhe tinha confiado a pulseira que trazia no pulso.

Fui-me embora tranquila, com o pulso mais leve, mas de coração cheio.

 

Para quem tiver curiosidade, se quiser inspirar ou simplesmente ler às suas crianças, esta é a história do pequeno guaxinim*:

Era uma vez um guaxinim chamado Chester, que vivia na floresta com a sua família. Chegou o mês de Setembro e a escola estava quase a começar. Mas o Chester não queria ir para a escola! Ele gostava tanto, mas tanto da sua mãe, que não queria separar-se dela… Por isso andava triste, assustado e angustiado, com a ideia de que o dia de ir para a escola estava mesmo quase a chegar.

A mãe explicou-lhe que a nova escola era muito bonita e nova a professora muito amiga, mas não adiantou nada… O Chester continuava triste e preocupado!

Até que chegou o grande dia e a mãe, ao vê-lo triste, contou-lhe um segredo muito antigo, chamado “um beijo na mão”.

Com muita ternura abriu-lhe a mãozinha e beijou-a carinhosamente. O Chester sentiu o calorzinho do amor da mãe, que subiu da mão para o braço e do braço para o coração e ficou logo a sentir-se melhor.

“Quando estiveres triste ou assustado, encosta a mão ao teu coraçãozinho e verás que logo ficas bem!” disse-lhe a mãe.

E assim foi. O Chester foi para a escola contente e tudo lhe correu bem, pois sabia que podia separar-se da sua mãe, porque o amor dela irá sempre com ele, no seu coração, para onde quer que ele vá!

 

*adaptação da história original A Kissing Hand for Chester Raccoon de Audrey Penn

Liliana Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *