Faz ao outro o que queres que te façam a ti (ou talvez não…)

Ajuda

 

Um macaco passeava-se à beira de um rio, quando viu um peixe dentro de água. Como não conhecia aquele animal, pensou que estava a afogar-se. Conseguiu apanhá-lo e ficou muito contente quando o viu aos pulos, preso nos seus dedos, achando que aqueles saltos eram sinais de uma grande alegria por ter sido salvo.

Pouco depois, quando o peixe parou de se mexer e o macaco percebeu que estava morto, comentou:

– Que pena eu não ter chegado mais cedo!

Fábula africana contada por Mia Couto.

 

Costuma-se dizer: faz ao outro o que gostarias que te fizessem. Já não seria mau se na sociedade atual o fizéssemos. Ainda assim, não raras vezes o que fazemos pelo outro é demasiado autocentrado.

Para ajudarmos verdadeiramente é preciso sairmos de nós, alhearmo-nos da nossa bagagem pessoal e partir ao encontro do outro e das suas efetivas necessidades, sem julgamentos.

Liliana Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *