Também as levei e não morri

bater em criança

 

Quando o tema são as palmadas, ainda que convenientemente apelidadas de ‘pedagógicas’, é certo e sabido que a dada altura alguém há-de argumentar:

Também as levei e não morri.

Nessa altura, se por ventura não digo, pelo menos penso:

– Mas numa relação entre pais e filhos o objectivo é sobreviver?

 

É certo que uma palmada não mata (literalmente), e no momento até resolve aquele comportamento.

Oiço quem diga:

– Quando mais nada funciona, uma palmada funciona sempre.

Aí dou a mão à palmatória (salvo seja). De facto a palmada funciona. Se não funcionasse não havia tanta apologia da palmada ‘pedagógica’.

Mas já pararam para pensar a que preço funciona?

Quando damos a dita palmada estamos a ‘pensar’ nos seus efeitos a longo prazo ou apenas a curto prazo?

Em primeiro lugar, não é por acaso que coloco entre aspas a palavra pensar. Na verdade, quando atingimos este limiar, o que acontece é que o cérebro, sob a pretensa ameaça da inquietude, refilice ou birra da criança, sente-se provocado a reagir e sem mais recursos para se controlar, acede ao modo ‘sobrevivência’.

Uma vez aí, domado pelo impulso ‘luta ou fuga’ sentimos que a única forma de voltarmos ao controlo da situação é dar a palmada.

 

No imediato, e na maior parte dos casos, a palmada interrompe os maus comportamentos. Até porque o próprio cérebro da criança, entra no mesmo mood e percebe que perante o cenário em que a sua integridade está em causa confrontado com alguém a quem não conseguem fazer frente, terá de parar (fuga) para ‘sobreviver’.

 

Vários estudos têm revelado ao longo dos anos que crianças habituadas a punições, como a dita palmada, tendem a tornar-se rebeldes ou temerosamente submissas. Numa situação em que as crianças são expostas a este tipo de reações, mas também outros como castigos, gritos, ameaças, há quatro respostas prováveis:

 

Ressentimento

A criança pensa/decide:

– Isso não é justo. Não posso confiar nos adultos.

Retaliação

A criança pensa/decide:

– Ganhaste agora mas hei-de vingar-me.

Rebeldia

A criança pensa/decide:

– Vou fazer exatamente o contrário para provar que não tenho de fazer como tu queres.

Recuo

A criança pensa/decide:

– Da próxima vez vou fazer de tal forma que não descubras. (dissimulação)

– Faço sempre asneira. Sou mesmo uma nódoa. (baixa auto-estima)

 

Nem sempre este processo é consciente e a crença que a criança formula, bem como a ‘decisão’ que toma, dependerão sempre do contexto e do seu temperamento. De qualquer forma, é algo que devemos ter atenção quando usamos métodos punitivos ao educar.

 

Entre as respostas que a criança pode dar a que mais me assusta é por ventura a última, a do recuo que afeta a auto-estima. Talvez porque me identifique com ela…

Nestas circunstâncias a criança passa a acreditar que há algo de errado com ela. É corroída pela culpa. Assume do rótulo de ser alguém que não faz nada direito, que é má, que só faz os outros passarem vergonha, que não devia ter nascido,… Não se sente acolhida, amada ou importante, e andará numa constante luta por agradar, subjugando as suas próprias necessidades interiores às expectativas dos outros.

As crianças aprendem a olhar para os outros como referência para decidirem se estão a fazer o que é correto ou não, em vez de aprenderem a se autoavaliarem. Desenvolvem uma estima baseada nos outros e não uma auto-estima.

 

Para além disso, uma criança que é punida recorrentemente (seja em maior ou menor escala) tendencialmente não deixa de amar os pais e até arranjará forma de os defender e desculpar, mas tenderá a deixar de se amar, de lutar por si e pela sua integridade. E esta é uma decisão que levará de forma mais ou menos consciente pela vida.

 

No momento em que sentirmos que a situação está a fugir ao nosso controlo e que não conseguimos aceder a recursos mais racionais e respeitosos para nós e para a criança, devemos fazer uma pausa. Por vezes basta contar até 10.

Segundo o neurologista John Dylan Haynes, 10 segundos é o interregno de tempo entre o impulso de ação (num pico da atividade cerebral) e tomada efetiva de consciência quanto à decisão tomada, basicamente, é o tempo médio que levamos até que nos caia a ficha.

 

Se o impulso for muito intenso e continuar a ser alimentado pelo estado da criança naquele momento (agradeçam aos ‘neurónios espelho’) pode ser útil avisarmos a criança que nos vamos retirar porque não nos sentimos em condições de resolver a situação. Se for preciso, fujam para casa de banho para passar água no rosto.

Já sei o que estão a pensar:

– Era só o que faltava! E ela safa-se assim?!

Perguntem-se a vocês mesmos: o que é mais importante? Mostrar à criança quem manda, passando-lhe a mensagem que o mais forte conseguirá sempre subjugar o mais fraco, com todas as repercussões que daqui se podem retirar? Ou conquistar o respeito da criança, por meio do autocontrolo e autorregulação que se está a modelar e que, com certeza, no futuro fará toda a diferença nas interações que a criança vier a ter?

Na minha opinião, a segunda parece-me a melhor opção. Mas obviamente, cada um sabe de si e das suas próprias escolhas.

 

Posto isto, quando controlado o vosso impulso de punir, procurem acalmar a criança. Muitas vezes propor um abraço ajuda.

Depois, quando todos estiverem calmos, conversem sobre o que se passou, sem julgamento e procurando validar o que um e outro sentiram, mostrando empatia pela necessidade da criança, ainda que deixando claro que não concordamos com o comportamento. É razoável nesta sequência convidar a criança a pensar numa solução e, se ela própria não conseguir chegar lá, oferecer-lhe recursos para numa próxima situação conseguir responder de uma forma mais adequada. É que não basta dizer que a criança não pode fazer isto ou aquilo. É preciso ajudá-la a perceber o que pode fazer.

 

Não pensem no entanto que seguindo estes passos haverá sempre cooperação e que o mau comportamento não retornará. Não é assim que funciona e não há receitas infalíveis.

Tudo isto é um processo e treino e devemos ter em mente que o próprio cérebro da criança está em desenvolvimento até por volta dos 20/25 anos de idade. Até lá cabe ao adulto ter muita paciência, aprender a autocontrolar-se e regular-se (ele, mais do que a criança terá essa capacidade) e confiar no modelo que é para construção daquela criança.

 

Crédito imagem @criandocomapego

Porque escolhi educar com Disciplina Positiva?

Na minha infância lembro-me que a educação que recebi foi essencialmente centrada no controlo e na punição. Fruto de uma cultura que vinha de outros tempos, em que os filhos nasciam para ajudar os pais para o sustento do lar e havia uma espécie de subserviência cega, em que o respeito era devido apenas de filhos para pais, e a própria hierarquia social e familiar seguia uma estrutura rígida, a minha criação seguiu moldes idênticos, embora, à luz dos novos tempos, os métodos utilizados tenham sido, ainda assim, um pouco mais suaves.

Os meus pais fizeram o melhor que sabiam com os recursos que disponham, que por si só, pela infância que viveram, eram muito limitados. No fundo limitaram-se a reproduzir o que havia sido feito com eles. Afinal, eles sobreviveram e tornaram-se pessoas de bem, logo, resultou. Porque não resultaria com as filhas?

Assim, enquanto cresci não me faltaram os sermões, as reprimendas, o sobreolho levantado e testa franzida ao mínimo pisar de risco, e algumas tareias sempre que o risco, conhecido ou não, fosse ultrapassado.

Habituei-me a conviver com o medo e a ansiedade de não estar à altura, de não agradar, de não ser suficiente. Queria ser o orgulho dos meus pais, mas entre tudo o que fazia bem, ‘não fazia mais do que a minha obrigação’. Já quando fazia mal, se a dor de alguma forma me era sempre incutida, o facto é que a vergonha e a culpa logo surgiam como parceiras para me amestrar.

Nunca tive muita liberdade de escolha, porque ‘criança não tem querer’, nem grande possibilidade de questionar, porque ‘não é não e ponto final’, ou de argumentar ‘não há mas nem meio mas’. A vida e o que me era permitido era muito claro para mim ‘é como eu digo e acabou-se’, ainda que nem sempre o que me diziam fosse o que de facto faziam mas ‘enquanto viveres debaixo do meu tecto, é assim que as coisas são’.

E assim foram por longos anos em que sei que fui a menina exemplar, obediente, bem comportada, estudiosa, a fada do lar, prendada, responsável, cuidadosa,… pelo menos a maior parte do tempo. Mas debaixo destes rótulos, houve sempre uma menina que espreitava à janela para tentar que o sol lhe aquecesse a alma. Ficava a sonhar com ter mais liberdade, mais opções, para ser uma menina como as outras. Que gostaria que o amor não fosse opressor e castrador e que a alegria não fosse constantemente vigiada pelo medo de falhar e de envergonhar as pessoas que mais amava.

Um dia fui mãe. Um dia, numa ocasião que a minha filha mais velha, no auge dos seus 2 anos, fez uma birra à mesa porque não queria jantar, vi-me reproduzir o controlo e punição que jurei que não traria para a nossa casa. Mas que fazer se este era o único modelo que conhecia, a única referência que tinha? E afinal, eu sobrevivi e sou uma pessoa de bem. No meu coração esta resposta não me tranquilizou. Sei que padrões de resposta a minha educação me trouxe. Sei de que decisões e limitações me cercou. É mesmo o que quero que resulte para ela?! Não!

Mas nesse momento deparei-me com o vazio, a escuridão. Se não faço assim, faço como? Se não sou esta mãe, que mãe vou ser?

Neste processo de questionamento, até então impensável para mim, surgiram as dores de trazer à tona a consciência da criança que fui e ainda morava em mim. Ao olhar para a minha filha, era hora de regressar às dores que reprimi, ao choro que engoli, às lágrimas que rapidamente limpei e ao que em minha defesa, da minha integridade e autenticidade ficou por mostrar, com medo de não ser aceite, de não me enquadrar nas expectativas.

Há um provérbio árabe que diz

A hora mais escura do dia é que antecede a alvorada

Numa altura em que estava a aprender a lidar com a dores, a procurar acolher a criança que fui, aceitando as minhas limitações e transformando as minhas visões da vida, para aprender a lidar os desafios que as minhas filhas me traziam a todo o momento, comecei a ler sobre parentalidade consciente e logo depois conheci a Disciplina Positiva, que imediatamente ressoou em mim e me fez tanto sentido face ao que procurava para educar as minhas meninas e ao mesmo tempo fortalecer o vínculo de amor que nos une.

Baseada nos ensinamentos da psicologia adleriana, Jane Nelsen desenvolveu o conceito de Disciplina Positiva como forma de educarmos e nos relacionarmos com as crianças, procurando um equilíbrio entre firmeza e gentileza, numa base de respeito mútuo.

A Disciplina Positiva fundamenta-se em cinco critérios:

  1. Ajuda a criança a sentir-se aceite, importante e capaz de contribuir,
  2. Encoraja o respeito mútuo,
  3. É efetiva a longo prazo,
  4. Ensina habilidades sociais e de vida,
  5. Ensina a criança a usar seu poder pessoal de forma construtiva e descobrir os seus talentos.

Ao invés de nos impormos à criança, usando métodos punitivos e controladores, a Disciplina Positiva desafia-nos a conquistá-las, tratando-as com dignidade e respeito, sendo um exemplo desses valores, e a confiarmos nas suas capacidades para cooperarem e contribuírem, orientando-as nas aprendizagens.

O importante nesta abordagem não é forçá-las a fazerem o que é correto, exigindo obediência, para exibirem uma conduta regida por fatores externos (punição ou recompensa), mas ensiná-las a olharem para dentro de si, refletirem sobre as atitudes e autoavaliarem os comportamentos, promovendo respostas conscientes e respeitosas, tanto quanto possível no presente, mas sobretudo com os olhos postos no futuro. Desta forma, a Disciplina Positiva ajuda a promover a autoestima da criança, visto que se procura desenvolver o lócus de controlo interno com base na empatia, ao invés de desenvolverem uma estima baseada em expectativas alheias.

Ao contrário do que acontece num estilo autoritário, em que quando a criança se porta mal, a tendência é fazê-la sentir-se mal para que se comporte bem, Jane Nelsen considera uma incongruência, uma vez que as crianças sentir-se-ão encorajadas a agir melhor e cooperar se sentirem que são ouvidas, que os seus sentimentos são validados e que há a preocupação de se entender a perspetiva delas e de as envolver na solução, em vez de as vermos como problemáticas, birrentas, irritantes ou tantos outros rótulos que lhes costumamos colocar.

Nesta abordagem há apego emocional (que é diferente de superproteção e permissividade). As necessidades das crianças são atendidas, mas são tidas em igual conta as necessidades dos adultos. As regras são responsabilidade de todos e definidas em conjunto sempre que possível, as soluções são o foco e, sempre que os pais precisarem de usar do seu discernimento para decidir algo, ao invés da agressividade e rigidez ou da manipulação com base em recompensas, utiliza-se a firmeza, gentileza, dignidade e respeito. Todas as emoções são aceites embora os comportamentos possam ser revistos para benefício mútuo.

Racionalmente todo o conceito me fez todo o sentido. Senti-me ainda mais encorajada porque não se trata apenas de uma abordagem teórica, mas antes uma metodologia assente em ferramentas práticas. A Disciplina positiva oferece dezenas de recursos para evitarmos cair na punição ou permissividade e a melhor compreendermos as nossas reações e os comportamentos das nossas crianças.

Para mim a Disciplina Positiva não te trata de um manual de instruções, ou sequer de uma receita que sigo à risca, até porque cada mãe é única e cada criança também e os erros são inevitáveis e até essenciais para o crescimento e evolução. Entendo a Disciplina Positiva como uma bússola que me orienta no meu caminho de mãe e me mantém presente e consciente da minha intenção nesta jornada.