Com dois anos e não fala… Será preguiçosa?

otite

 

Com ano e meio ela dizia muito poucas palavras. ‘Pai’, ‘Mãe’ e pouco mais.

Aos dois mantinha um vocabulário muito limitado, mas em todos os indicadores mostrava um bom desenvolvimento e era muito autónoma. A pediatra sinalizou para observação dali a seis meses.

Entretanto aos dois anos e meio regressou para nova avaliação do desenvolvimento da fala. Continuava praticamente igual embora já tentasse dizer mais algumas palavras.

A pediatra recomendou fazer alguns exames – timpanograma e audiograma tonal –  e ser avaliada por um profissional da especialidade. Marcámos consulta com um otorrino pediátrico e percebemos finalmente o que se passava.

A L tinha afinal uma surdez de transmissão, também conhecida como otite serosa, que faz com que ela oiça como se estivesse debaixo de água.

Fez um tratamento durante um mês. Repetiu os exames mas os resultados não registaram alterações. A L é operada hoje para resolver este problema e depois, ouvindo com nitidez, poderá então reproduzir as palavras com clareza.

Durante este tempo o que me marca são os rótulos que, inclusive nós, tão facilmente lhe colocámos à conta deste atraso no desenvolvimento da fala.

Ela sempre foi tão desembaraçada e independente. Praticamente não precisava de pedir porque arranjava forma de ter o que queria, fosse pelo próprio pé, arrastando cadeiras ou trepando pelos móveis, ou através de uma espécie de mímica improvisada, mas que servia para ela se fazer entender.

Tantas vezes ouvimos, e nós mesmos inicialmente chegámos a dizer, que ela tinha era preguiça de falar. Também achámos que como via a irmã a comunicar tão bem, sempre tão eloquente, talvez tivesse optado por se destacar de outra forma.

Pensámos que podia ficar inibida por dizer mal as palavras porque sempre que a incentivávamos a dizer alguma coisa ou repetir ela retraía-se.

Afinal a nossa pequenina não era preguiçosa ou tímida. Habilmente, na verdade, arranjou maneira de contornar um problema que tinha e que fez com que este atraso não fosse identificado mais cedo ou acabasse por ser desvalorizado dado o seu desembaraço.

Serviu-nos esta vivência para sermos mais empáticos com os desafios que as nossas filhas apresentam e procurar ir um pouco mais além do que à primeira vista a situação nos sugere. Sairmos do modo julgamento e rotulagem para questionar e procurar acolhê-las e apoiá-las neste processo, seja ele condicionado por uma circunstância física ou de outra natureza, fortalece a forma como encaram os desafios e aprendem a superar as adversidades, acompanhadas ao invés de rotuladas.

Espero que a L tenha feito ouvidos de mercador aos comentários que foi ouvindo ao longo dos últimos meses. Olhando para ela, tão bem disposta e autónoma, até aqui a tagarelar ao jeito dela, creio que sim.

O caso (im)possível da divisão dos 17 camelos

Camelos

 

Um homem deixou aos seus 3 filhos uma herança de 17 camelos. Deu instruções para que os 17 camelos fossem divididos pelos 3 da seguinte forma:

– o primeiro filho ficava com metade dos camelos,

– o segundo com um terço,

– e o terceiro com um nono dos camelos.

Os filhos procuraram negociar a divisão dos camelos, mas rapidamente perceberam que não era possível dividir 17 por 2, tal como não era dividir por 3 e nem sequer por 9. Desesperados por não conseguirem desfazer aquela confusão, resolveram pedir ajuda a uma sábia idosa da comunidade onde viviam.

Depois de apresentado o problema a senhora pensou um pouco e acabou por lhes indicar que os poderia ajudar.

– Ofereço-vos o meu camelo. Assim, já ficam com 18, que dá para fazer a divisão que o vosso pai desejava.

E assim foi. Ao dividirem os 18 camelos, o primeiro filho ficou com 9 camelos, o segundo com 6 e, por fim, o terceiro com 2 camelos.

Feitas todas as divisões, ficou a sobrar um camelo. Pela generosa ajuda que a velha sábia lhes havia dado para resolverem o problema, os três irmãos decidiram oferecer o camelo de volta à idosa.

 

Muitas vezes andamos às voltas com problemas de “17 camelos”, sem encontrar solução, embrenhados em conflitos que não conseguimos deslindar. Mas quando nos afastamos do problema, damo-nos a possibilidade de encontrar um novo olhar para o desafio e encontrar novas possibilidades para resolver algo que à partida nos parecia irresolúvel.

Não raras vezes, sozinhos temos dificuldade em sair do epicentro do problema ou conflito e focarmo-nos na solução. É nessa medida que contar com alguém, talvez um familiar, um amigo, um facilitador ou um mediador, que nos apoie neste processo pode ser uma preciosa ajuda para encontrarmos os 18º camelo que falta na equação.