A Coragem de Ser Imperfeito

De fio a pavio este livro de Brené Brown foi uma autêntica revelação. A Coragem de Ser Imperfeito (Editora Nascente) trouxe-me consciência do quão transversal e enraizada está a vergonha na nossa vida, não só a nível individual mas enquanto cultura social.

Absorvi cada ensinamento. Cada tópico levantado pela autora colocava o dedo na ferida e fez-me perceber o quão impreparados estamos para aceitar e conviver com as nossas vulnerabilidades e o quanto isso nos afasta da nossa essência e das nossas relações. E tudo começa na educação, propagando-se pelas restantes esferas da nossa vida. A grande maioria de nós lança-se à vida com armaduras e escudos, procurando-nos proteger, mas o que tantas vezes conseguimos é simplesmente entorpecer os movimentos e os sentimentos que nos podem levar a uma vida mais plena.

A Coragem de Ser Imperfeito é um livro que nos convida à autoconsciência, à reflexão, ao questionamento, à revisão de crenças, à aceitação, à mudança e à transformação.

Se ainda não estiverem motivados para ler o livro assistam à TED que projectou mundialmente Brené Brown.

 

Entretanto, para aguçar a curiosidade, partilho o Manifesto de Plenitude para Criar Filhos que a autora inclui neste livro e que espelha tudo o que espero conseguir trazer para a minha família.

 

Antes de mais, quero que saibas que é amado e que tens capacidade de amar.

Aprenderás isso através das minhas palavras e acções – as lições sobre o amor têm que ver com a forma como eu te trato e como eu me trato a mim mesma.

Quero que abordes o mundo sob a perspectiva do merecimento.

Aprenderás que és digno de amor, pertença e alegria sempre que me vires a praticar o auto-compaixão e a aceitar as minhas próprias imperfeições.

Praticaremos a coragem na nossa família ao aparecermos, ao deixarmos que nos vejam e honrando a vulnerabilidade. Partilharemos as nossas histórias de dificuldades e força. Em nossa casa haverá sempre espaço para ambas.

Vamos ensinar-te a compaixão ao praticarmos compaixão primeiro connosco e depois uns com os outros. Vamos estabelecer e respeitar os limites; vamos honrar o trabalho árduo, a esperança e a perseverança. O descanso e a diversão serão valores familiares, bem como práticas familiares.

Vais aprender sobre responsabilidade e respeito ao me veres-me cometer erros e corrigi-los, e ao vendo como peço aquilo de que preciso e falo sobre como me sinto.

Quero que conheças a alegria, para que juntos pratiquemos a gratidão.

Quero que sintas alegria, para juntos aprendermos a ser vulneráveis.

Quando a incerteza e a escassez surgirem, vais ser capaz de ir buscar forças ao espírito que é uma parte da tua vida diária.

Juntos, vamos chorar e enfrentar o medo e o sofrimento. Vou Vou querer fazer desaparecer a tua dor, mas em vez disso vou sentar-me contigo e ensinar-te a senti-la.

Vamos rir e cantar, dançar e criar. Teremos sempre permissão para sermos nós próprios um com o outro. Aconteça o que acontecer, vais sempre pertencer aqui.

Ao começares a tua jornada de plenitude, a maior dádiva que te posso dar é viver e amar de todo o coração e ousar ser grande.

Não vou ensinar ou amar ou mostrar nada na perfeição, mas vou deixar que me vejas e vou sempre considerar sagrada a dádiva de te ver a ti. Ver-te verdadeira e profundamente.

       Este manifesto está disponível na versão original em www.brenebrown.com.

 

Sinopse

Ter a coragem de ser imperfeito é querer mudar a manei

ra como conduz a sua vida, o amor, o trabalho e a família.

Você vive evitando emoções como o medo, a mágoa ou a desilusão.

Fechando as portas ao amor e aos outros. Defendendo-se a todo o custo de eventuais erros e fracassos.

Se é assim que você vive, então não está a usufruir das experiências marcantes que dão significado à vida. Exponha-se! Abra-se a novas experiências e será uma pessoa mais autêntica e realizada.

Aprenda a aceitar a sua vulnerabilidade e a vencer a vergonha. Ousar ser quem é pode conduzi-lo a uma vida mais plena.

 

Boas leituras!

Boatos e mentiras são penas lançadas ao vento

pena

 

Um mestre andava preocupado com o comportamento de um dos seus discípulos, que tinha o mau hábito de criticar publicamente os colegas, inventando boatos e mentiras. As palavras imprudentes daquele discípulo eram fonte de grandes conflitos.

Num dia ventoso o mestre convidou-o a fazer uma caminhada. E pediu-lhe que transportasse um saco às costas. Caminharam, em silêncio, até ao castelo da cidade. O João estranhou que o saco fosse tão leve, mas não fez perguntas.

Na torre mais alta do castelo o mestre ordenou:

– Abre o saco e deita fora o seu conteúdo.

O discípulo obedeceu. Viu que se tratava de um saco cheio de penas, que voaram para longe, ao sabor do vento. Passado pouco tempo, recebeu nova ordem:

– Desce e recolhe todas as penas, uma por uma, e volta a colocá-las no saco vazio.

O discípulo tentou perceber para onde tinham voado as penas e concluiu depressa:

– É impossível fazer o que me pede.

Então o mestre afirmou:

– As penas são como as tuas palavras imprudentes.

– O que quer dizer com isso?

– Não podes recolher as penas que voaram com o vento nem podes voltar atrás com as palavras que saíram da tua boca e espalharam boatos e mentiras sobre os teus colegas. O mal está feito. Pensa, antes de falar.

 

Recordei-me deste conto a propósito do Papa Francisco ter classificado recentemente “a coscuvilhice” como um acto terrorista, alegando que a “má-língua” é como uma faca que mata.

“É grave viver com comunicações não autênticas, porque impedem relações recíprocas e amor ao próximo”, ressalvando que “onde há uma mentira, não há amor”.

 

Sugiro que todas as vezes que nos sentirmos tentados a falar sobre alguém devemos passar a informação pelas 3 peneiras de Sócrates. A saber:

Verdade – Tens certeza de que o que vais contar é absolutamente verdadeiro?

Bondade – O que me vais contar é algo bom ou positivo? Algo que gostarias que outros também dissessem a teu respeito?

Utilidade – A informação é útil? Serve para ajudar alguém ou melhorar alguma coisa?

Se o que tivermos a dizer não for verdadeiro, bom ou útil, então devemos aprender a ficar calados, lembrando-nos que:

Pessoas sábias falam sobre ideias,

Pessoas comuns falam sobre coisas,

Pessoas medíocres falam sobre pessoas.

Não há só branco ou preto, cor de pele ou castanho

Cores da Pele

 

– Mãe, o J é castanho?

– Sim, é. Mas é um menino como tu.

– Não é, não. Ele é diferente de mim e dos outros meninos.

– É? E tu, és igual a quem?

– Sou igual aos outros meninos da minha sala. Eles têm a mesma cor que eu, menos o J.

– Têm mesmo?!… Olha que eu acho que não… Será que nós somos da mesma cor?

– Somos.

– Hummm… Vamos ver… Junta o teu braço ao meu. São da mesma cor?

– Não…

– Agora junta ao da mana. E que tal? A cor é igual?

– Também não… E a do pai também é diferente.

– Pois é. Somos da mesma família e nem por isso temos o mesmo tom de pele. Não somos iguais, nem somos diferentes. Somos semelhantes. E isso é bom, não é?

– É!

Esta foi uma conversa que tive há uns tempos com a B. No dia seguinte, procurei o projeto Humanae, da brasileira Angélica Dass. Fiz um print screen de vários rostos e imprimir para que a B pudesse levar para a escola e mostrar aos amigos a variedade e riqueza da diversidade humana.

Ficou toda contente com a descoberta. Por perceber que não há só branco ou preto, cor de pele ou castanho. O mundo afinal é tão mais colorido, e por isso, tão mais rico e completo.